Conheça a Societá, entidade formadora de jovens aprendizes

Publicado em: 24 de janeiro de 2018 • Categoria: Educação Profissional

 

A Societá – Formação Profissional é uma Entidade Sem Fins Lucrativos (ESFL) que atua no desenvolvimento de programas de qualificação profissional de jovens aprendizes, em parceria com o Ministério do Trabalho e mais de 500 empresas de todo o País. Comprometida com a transformação do destino da juventude brasileira por meio da educação e do trabalho, a organização não governamental tem hoje 50 unidades nos estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo, além de outras 60 unidades em fase de implantação.

“Em 2017, inauguramos 16 unidades e dobramos o número de jovens aprendizes atendidos pela Societá. Significa que a política pública promovida pela Lei do Aprendiz desde o ano 2000 está avançando em território nacional, alcançando mais jovens e transformando a vida de mais famílias, embora ainda haja muito potencial de crescimento e grande demanda de jovens pela oportunidade da formação profissional”, afirmou o diretora financeira da Societá, Érika Abdão.

 

História

 

 

 

societa_jovem_aprendiz

Família Bittar durante mutirões de construção do Lar de Amparo e Promoção Humana, asilo fundado por João Bittar (à esquerda) na década de 1980

 

A Societá Profissional é um dos projetos sócio-educativos do Instituto Pater, entidade fundada na década de 1980 por João Bittar, quando tinha apenas 19 anos. Empenhado na construção de uma alternativa de inclusão de impacto, João Bittar fundou um asilo, que mais tarde agregou inúmeros projetos de cunho social, voltados não apenas para idosos, mas também para crianças, adolescentes, jovens e adultos. O Instituto Pater é atualmente o maior instituto educacional do País, com mais de 150 mil pessoas já atendidas e 86 mil alunos em atendimento, de forma totalmente gratuita. Além de certificação internacional de órgãos, como Unesco e Unicef, a Societá é membro do Fórum Nacional de Aprendizagem Profissional (FNAP).

 

Como funciona?

Como entidade qualificadora, a Societá Profissional é uma parceira de empresas com mais de 7 funcionários, na gestão de contratos de aprendizagem e no desenvolvimento de programas de aprendizagem. Sendo assim, uma vez firmada a parceria, a Societá cuida desde a captação, seleção, contratação e administração de jovens, sendo responsável ainda pela formação técnico-profissional dos aprendizes, por meio da oferta de atividades teóricas e da supervisão das atividades práticas.

“A Societá faz uma ponte entre jovem, empresa e Ministério do Trabalho. Como parceira do poder público, viabiliza o cumprimento da Lei do Aprendiz, garantindo a milhares de jovens o acesso à formação profissional. Como parceira de empresas, assume toda a gestão da vida do jovem aprendiz durante o programa de aprendizagem, garantindo a segurança jurídica e evitando passivos trabalhistas”, afirmou Érika Abdão.

 

Quer ser jovem aprendiz?

Para participar de programas de aprendizagem, o jovem deve ter de 14 a 24 anos não completos e frequentar regularmente a escola, a menos que tenha concluído o Ensino Médio. Para se candidatar às vagas oferecidas pelas empresas parceiras da Societá, deve preencher um cadastro no site. Uma vez que surjam vagas com o perfil do jovem, entramos em contato por telefone, por ordem de inscrição no site, para participação no processo seletivo. Todo o processo é gratuito, assim como o curso de qualificação profissional, que o jovem inicia caso seja selecionado, frequentando aulas teóricas na unidade da Societá e aulas práticas na empresa.

 

Quer ser empresa parceira?

Para ser parceiro Societá, o representante da organização deve preencher o formulário de prospecção no site e aguardar contato de um captador de parceria para agendamento de uma visita. Entre nossos diferenciais, está a oferta de cursos para empresas de todos os segmentos, incluindo cursos especiais para indústria e agronegócio; controles rígidos sobre a documentação, com garantia de segurança jurídica; possibilidade de assinatura da carteira pela empresa ou pela Societá; material didático próprio, desenvolvido por mestres e doutores; assessoria psicológica para aprendizes; e índice de turnover entre os menores do País.